Vera Fischer fala de nova peça, de união do filho com atriz

estreia nesta quarta (2), no Rio de Janeiro, a peça “Quando eu for mãe, quero amar desse jeito”. O adiamento de dois anos por conta da pandemia trouxe um frio na barriga extra à veterana:

— Essa peça ia estrear em março de 2020, justamente quando começou a pandemia. Com a espera, tivemos que decorar o texto todo de novo e montar cenário outra vez, mas estou feliz porque amo palco. Gosto de ver as pessoas ao vivo. E esse papel, dentro de uma comédia satírica, é muito diferente dos que eu já fiz. Estou morrendo de medo de retornar, claro. Todos estamos. Mas o texto é escrito de uma forma organizada. E erros existem em qualquer lugar.  Em TV e cinema, é mais fácil. Em teatro tem que improvisar. Ou, se a gente esquece, inventa uma coisa parecida. Ninguém aqui é perfeito. E atores muito menos. A gente é muito inseguro. Mas vou dar conta do recado. Sempre dei.

Em cena, Vera interpreta Dulce Carmona, uma septuagenária que recebe a notícia de que seu único filho, Lauro (Mouhamed Harfouch), vai se casar com uma mulher que ela não conhece (Larissa Maciel) (veja a foto abaixo).

— Ela passa do que é saudável numa relação entre mãe e filho. Conheço pessoas que também são assim: fixam-se tanto no filho homem, exigem uma atenção que às vezes os faz deixar de casar, de viver a própria vida, para estar com elas. Amor e obsessão. Isso é muito diferente do que vivo. Meus filhos foram criados para o mundo, livres, cada um para o seu lado — diz ela, a respeito de Gabriel, de 29 anos, da relação com Felipe Camargo, e de Rafaella, de 42, do casamento com Perry Salles.

Enquanto a filha mais velha da atriz vive em São Paulo, o caçula mora na Zona Sul do Rio, perto da mãe. Recentemente, Vera Fischer publicou uma foto com ele e com a nora, a atriz Letícia Catalá. Ela conta como é o convívio:

— Meu filho está com Letícia há cinco anos. Ano passado eles decidiram morar juntos, inclusive. Eu me dou muito bem com ela. É uma pessoa agradável, muito bonita. E eles são caseiros, cuidadosos em relação à Covid. Nos encontramos quando eles vêm jantar na minha casa ou eu vou à deles. Já a minha filha não tem namorado fixo há muito tempo.

Na pandemia, Vera, que mora numa cobertura no Leblon, conta que transformou seu estilo de vida:

— Eu dispensei empregada, tenho só faxineira. A vida mudou e nunca mais vai voltar a ser como era. Essa coisa de ter seis empregados, nunca mais. Tem uma hora da vida que já não se quer mais muita coisa. O desejo é viver bem, comer bem, ter alguns bons amigos e um bom trabalho sempre. As pessoas falam “ela é rica”. Não sou rica mesmo. Faço tudo sozinha.

SIGA A COLUNA NAS REDES

No Twitter: @PatriciaKogut

No Instagram: @colunapatriciakogut

No Facebook: PatriciaKogutOGlobo

Rafaela, Gabriel e Letícia com Vera Fischer. Á direita, Gabriel e Letícia com Vera (Foto: Reprodução)Rafaela, Gabriel e Letícia com Vera Fischer. Á direita, Gabriel e Letícia com Vera (Foto: Reprodução)

 

Larissa Maciel, Mouhamed Harfouch e Vera Fischer (Foto: Carlos Costa)Larissa Maciel, Mouhamed Harfouch e Vera Fischer (Foto: Carlos Costa)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.