Guerra interna movimenta investigação do TCU sobre Moro

Surpreendeu muita gente o pedido do subprocurador do TCU, Lucas Furtado, para que os bens de Sérgio Moro sejam bloqueados, no bojo da investigação do tribunal sobre o contrato entre o ex-juiz da Lava Jato e a consultoria Alvarez & Marsal.

Dias antes, o próprio Furtado havia pedido o arquivamento dessa mesma investigação, dizendo que o TCU não tem competência para investigar contratos privados.

Inquéritos na PF: Quem protege Jair Bolsonaro?

Agora, ele diz que encontrou “fatos novos” – a transferência de Moro para os Estados Unidos e inconsistências nos documentos apresentados pela consultoria que poderiam levar a alguma irregularidade fiscal – e que, por isso, é preciso bloquear os bens do juiz.

O relator do processo, o ministro Bruno Dantas, ainda não decidiu. Portanto, a a investigação continua.

E junto com ela, cresce uma guerra interna no TCU, com despachos desaforados e de acusações entre os procuradores: Furtado, que pediu a abertura da apuração, e Julio Marcelo de Oliveira, sorteado para atuar no processo.

Contrato de R$ 60 milhões: Erro em notas leva Secom a refazer etapa de licitação para promover Bolsonaro no exterior

Até o ministro Dantas entrou na troca de farpas. E nos bastidores, a divisão entre favoráveis e os contrários à investigação sobre Moro alimenta intrigas e boatos.

Na sexta-feira, Furtado disse que o pedido de arquivamento era uma “estratégia” para tirar Oliveira do caso. “Ele queria entrar para blindar o Moro e toda a Lava Jato”, disse o subprocurador-geral por mensagem de WhatsApp.

Como pediu arquivamento, Furtado espera que o novo pedido dê origem a outra apuração – em que o rival não poderia mais atuar.

No início de janeiro, Oliveira acusou Furtado de extrapolar suas funções, atravessando ofícios e fazendo pedidos no processo em que ele atua, sem ter legitimidade para isso.

Legado: Dilma avisa Lula que não vai se esconder durante a campanha

Na acusação, feita à corregedoria do Ministério Público junto ao TCU, Oliveira argumentou que o regimento do tribunal determina que procurador que pede a abertura de uma investigação deve ser excluído do sorteio que escolhe quem vai acompanhá-la, para evitar conflito de interesses.

Oliveira, no caso, é o procurador sorteado. Mas Furtado, que admite em seus ofícios não ser o procurador natural do caso, mas continuou enviando pedidos.

No final de janeiro, Furtado revidou, e arguiu ao ministro Dantas  a suspeição do  colega por, segundo ele, ser amigo de Moro.

Eleições 2022Ciro Nogueira libera PP para usar tempo de TV nos estados como quiser – inclusive contra Bolsonaro

No documento, anexou postagens de Oliveira em redes sociais em que ele aparece em fotos tiradas em eventos públicos com o ex-juiz e faz vários elogios a Moro.

Numa delas, publicada logo depois de Moro deixar o governo Bolsonaro, Oliveira diz que ele foi “um gigante que sempre se colocou a serviço do Brasil”.

Leia tambémProcurador do TCU pede suspensão de edital para assessoria de imprensa

A cronologia do processo mostra que a briga dos procuradores só esquentaram depois que Moro se declarou pré-candidato à presidência da República pelo Podemos, em novembro passado.

Iniciada em março de 2021, para apurar eventual conflito de interesse na atuação do ex-juiz, andava lentamente. Em agosto, um parecer da unidade técnica recomendou seu arquivamento, alegando que o contrato não envolveu recursos públicos e portanto não poderia ser investigado pelo tribunal de contas.

Concorrência: Licitação de R$ 60 milhões para promover governo Bolsonaro só tem uma vencedora possível; saiba qual é

Só no final de dezembro Furtado pediu a Dantas que mandasse a Alvarez & Marsal dizer quanto havia pago a Moro.

No dia 7 de janeiro, antes que a resposta viesse, Julio Marcelo apresentou seu parecer endossando as conclusões da unidade técnica e recomendando o arquivamento do processo.

Em seguida, fez a representação em que acusa Furtado de extrapolar suas funções.

Leia também: Ministro do TCU que deve ser embaixador em Portugal quer arquivar investigação sobre motociatas de Bolsonaro

Dias depois, o ministro Bruno Dantas rejeitou o parecer de Oliveira pelo arquivamento da ação, dizendo inclusive que o procurador não havia sido admitido por ele no processo.

Sem mencionar o fato de Oliveira ter sido sorteado, ele escreveu que não havia justificativa para haver dois procuradores atuando no caso, afirmou que o procurador estava tentando “causar tumulto processual” e cutucou: “enfatizo que simpatia pessoal ou convergência ideológica não se confundem com interesse público”.

Disputa: Para chegar ao TCU, Anastasia cobrou acordos feitos na eleição de Pacheco para presidência do Senado

Foi quando Furtado revidou, pedindo a Dantas que arguisse a suspeição do rival.

No pedido, escreveu que “a relação amigável e de admiração entre o Sr. Júlio Marcelo e o ex-juiz Sérgio Moro é de conhecimento público”, e que isso “deveria impedir que este atuasse no processo em análise, em face da dúvida sobre sua imparcialidade e/ou independência”.

Dantas deu a Oliveira 15 dias para se manifestar. O prazo ainda está correndo, mas o procurador diz que não é amigo de Moro e que só se encontrou com ele em eventos de trabalho.

Leia também: TCU paralisa julgamento sobre gastos do governo com motociatas de Bolsonaro

O que o papel não registra, mas se ouve nos corredores do TCU, é que os partidários de Oliveira dizem que Furtado está num jogo combinado com Dantas, que é um notório crítico da Lava Jato e já conduz outros processos contra ela, para ganhar influência no tribunal e se tornar ministro.

Na ala que defende a apuração sobre Moro, não apenas Julio Marcelo Oliveira é tido como um “lavajatista”, como se diz que ele tem influência sobre os membros da unidade técnica que recomendaram o arquivamento do processo – algo que ele rechaça.

“Não tenho influência sobre os auditores e não conversei com ninguém da unidade técnica sobre esse processo ou qualquer outro. O que de fato existe é que eles me respeitam pela minha independência e trajetória profissional e eu os respeito muito.”

No dia 28 de janeiro, a Alvarez & Marsal apresentou ao TCU os contratos firmados com Sérgio Moro listando pagamentos de R$ 3,5 milhões de reais ao todo ao longo de 18 meses.

Leia também: Em campanha por TCU, Fernando Bezerra distribui nada consta junto com pedido de voto

Foi aí que Furtado pediu o arquivamento da investigação. Depois, mudou de ideia.

Além do bloqueio dos bens de Moro, o subprocurador-geral agora quer informações da Receita Federal que indiquem se o ex-juiz sonegou impostos ou mentiu para o fisco, enquanto Dantas espera que dados do setor de inteligência do TCU rastreie eventuais movimentações suspeitas.

Moro trabalhou para a Alvarez & Marsal de abril de 2020 a outubro de 2021. Tanto ele como a empresa afirmam que ele não atuou diretamente em nenhum processo que envolvesse empreiteiras.

No momento, é muito difícil prever no que vão dar as duas guerras – a interna e a investigação sobre Moro. Podem, inclusive não chegar a lugar nenhum. Mas certamente deixarão cicatrizes no tribunal de contas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.