Putin pode invadir a Ucrânia em meio aos jogos olímpicos na China? Entenda a importância da relação entre Moscou e Pequim

Com o crescente aumento da tensão na fronteira entre a Rússia e a Ucrânia, os olhos do mundo se voltam para a região enquanto países do Ocidente buscam saídas diplomáticas para a crise.

Os Estados Unidos acusam o governo russo de se preparar para invadir a Ucrânia “dentro de dias ou semanas”. A Rússia nega a intenção de invadir novamente o território.

Com mais de 100 mil soldados mobilizados na fronteira, a Rússia defende a liberdade de realizar exercícios militares dentro do seu país e pressiona por garantias de segurança.

Rússia quer que a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) deixe de tentar ampliar sua influência para a Europa Ocidental e que jamais aceite a Ucrânia como membro da aliança militar.

Os americanos reforçaram a presença de suas tropas no continente e mobilizaram 3 mil soldados para a área, em países aliados. A Rússia acusa os EUA de aumentarem as tensões na Europa.

Mas uma invasão, iminente segundo os EUA, não deve ocorrer pelo menos até o fim do mês, segundo o professor de Relações Internacionais Oliver Stuenkel, da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

LEIA TAMBÉM

Relação entre Rússia e China

 

É pouco provável que uma invasão russa ocorra durante a Olimpíada de Inverno, diz Stuenkel

–:–/–:–

É pouco provável que uma invasão russa ocorra durante a Olimpíada de Inverno, diz Stuenkel

Stuenkel analisa ser improvável que uma invasão ocorra em meio aos Jogos Olímpicos de Inverno, sediados na China, por conta da parceria recém firmada entre a Rússia e o gigante asiático.

“Me parece que é pouco provável que uma invasão ocorra durante a Olimpíada”, diz o especialista em entrevista à Globonews. Veja no VÍDEO acima.

 

“A Rússia e a China têm uma parceria muito importante e o governo chinês deixou muito claro que não gostaria que um conflito dessa dimensão atrapalhasse a tentativa chinesa de se projetar como potência, capaz de organizar estes jogos neste momento”, diz o professor da FGV.

 

Os Jogos Olímpicos de Inverno, sediados em Pequim, ocorrem entre os dias 4 e 20 de fevereiro de 2022.

Na semana passada, o governo de Putin e do presidente chinês Xi Jinping anunciaram uma parceria “sem limites” e disseram que não vão tolerar qualquer interferência estrangeira em suas áreas de influência.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, participa de reunião com o presidente da China, Xi Jinping, em 4 de fevereiro de 2022 em Pequim — Foto: Aleksey Druzhinin/Sputnik/Kremlin via Reuters

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, participa de reunião com o presidente da China, Xi Jinping, em 4 de fevereiro de 2022 em Pequim — Foto: Aleksey Druzhinin/Sputnik/Kremlin via Reuters

“A amizade entre os dois Estados não tem limites, não há áreas ‘proibidas’ de cooperação”, declararam China e Rússia em um comunicado conjunto após uma reunião bilateral.

 

“[A Rússia e a China] pretendem combater a interferência de forças externas nos assuntos internos de países soberanos sob qualquer pretexto”, diz o documento. “[Ambos] se opõem às ‘revoluções coloridas’ e aumentarão a cooperação nas áreas mencionadas”.

“Revoluções coloridas” é o termo usado para se referir às manifestações políticas de oposição nas ex-repúblicas soviéticas que aproximaram Geórgia, Ucrânia e Quirguistão dos EUA nos anos 2000.

China acusa os Estados Unidos de colocarem lenha nos protestos de Hong Kong e apoiarem a independência de Taiwan. Putin acusa os americanos de desestabilizar a Ucrânia.

Putin viajou à China para a abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno e se tornou o primeiro líder mundial a ser recebido para uma reunião bilateral por Xi Jinping desde o início da pandemia.

Vladimir Putin, da Rússia, assista à abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno, em Pequim, em foto de 4 de fevereiro de 2022 — Foto: Sputnik/Aleksey Druzhinin/Kremlin

Vladimir Putin, da Rússia, assista à abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno, em Pequim, em foto de 4 de fevereiro de 2022 — Foto: Sputnik/Aleksey Druzhinin/Kremlin

O Russo foi também o chefe de Estado mais importante a visitar as Olimpíadas de Inverno, com a debandada de líderes mundiais após os boicotes diplomáticos.

EUA, Austrália, Canadá não enviaram representantes para os jogos, apenas atletas para as competições por conta da forma com que a China trata a minoria uigur em seu território.

Nesta semana, a Índia anunciou boicote após um incidente militar na fronteira com a China.

Clima favorável para invasão

 

Apesar de uma “pausa” durante as competições, Stuenkel avalia que uma invasão russa poderia ainda ocorrer neste mês.

“Daqui a duas semanas, as condições climáticas favorecem uma invasão, porque o clima congela o terreno que permite, que facilitaria a passagem de tanques”, diz o professor. “Então a maioria dos analistas vê uma janela [para a invasão], na segunda metade de fevereiro.”

O presidente francês Emmanuel Macron visita Moscou nesta segunda e viaja a Kiev na terça para tentar reduzir a tensão. Muitos esperam que ele promova um plano de paz até então estagnado para o conflito de vários anos com os separatistas pró-Rússia no leste da Ucrânia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.