Lula e Eduardo Paes se encontram em São Paulo

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD), se encontraram nesta terça-feira (15) na capital paulista. A reunião, no entanto, foi fechada, e as assessorias não divulgaram o teor da conversa.

A reunião ocorre 10 dias depois de Paes dizer que Lula não é relevante para a eleição do Rio.

No início do mês, em entrevista ao jornal “Valor Econômico”, o prefeito afirmou que observa uma postura de “salto alto” do petista ao apoiar o deputado federal Marcelo Freixo (PSB) na disputa pelo governo do estado.

“O Lula não é o fator relevante para mim nesta eleição local aqui”, disse o prefeito.

“A posição tem sido: ‘Quero governo do estado, Senado e Presidência da República e quem quiser vir que bata palma pra mim’. A postura do Lula, eu diria, com certo salto alto no Rio de Janeiro, não é a de alguém que está buscando somar”, completou o prefeito, que ainda não declarou qual candidato irá apoiar na eleição.

Freixo, por sua vez, reagiu às críticas dizendo neste sábado (5) que a fala do prefeito “divide o Rio onde ele não deveria dividir”. A resposta do parlamentar ao chefe do municipal fluminense foi dada em entrevista ao jornal “O Globo”.

“O prefeito divide o Rio onde ele não deveria dividir. A minha candidatura tem esse espírito de união. Eu resolvi ser candidato exatamente por esse movimento de mudança que precisamos. Daí, todos os diálogos que estou fazendo e insistindo que são importantes. Nesse sentido, Lula é fundamental para o Rio”, afirmou o deputado federal, que é pré-candidato ao governo do RJ.

O apoio de Lula ao deputado federal Marcelo Freixo, filiado ao PSB no ano passado, vai ao encontro dos objetivos políticos do ex-presidente. Ele pretende uma federação ampla de partidos – junto ao PSB, PV e PC do B – em busca de apoio político para as eleições presidenciais.

Há ainda a possibilidade de filiação de Geraldo Alckmin ao PSB, em meio as negociações de uma possível chapa com Lula. O ex-tucano deixou o PSDB em 2021 depois de mais de três décadas no partido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.