Governo prepara medida provisória a fim de relançar linhas de crédito para microempresas

Ministério da Economia prepara um novo pacote de concessão de crédito a pequenas e médias empresas e a microempresários, segundo fontes da pasta.

O objetivo é dar fôlego financeiro a essas empresas, que respondem pela maior parte dos empregos no país, em um momento de alta da inflação e dos juros e de expectativa de baixo crescimento econômico.

O setor de pequenas e médias empresas foi o mais afetado pela crise causada pela pandemia de Covid-19 e sofreu com a falta de crédito. Em junho de 2020, no auge da pandemia, levantamento do Sebrae indicava que somente 16% das pequenas empresas que buscaram crédito conseguiram.

Em almoço com empresários na quarta-feira (16), o ministro da Economia, Paulo Guedes, sinalizou até R$ 100 bilhões em empréstimos, segundo o presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Paulo Solmucci.

“Foi mais que uma promessa. O ministro disse que o pacote está pronto e que está apenas esperando o presidente voltar ao país para organizar o lançamento”, afirmou Solmucci.

O presidente Jair Bolsonaro tem chegada prevista para sexta-feira, após viagem à Rússia e à Hungria. Mas, segundo fontes da área econômica, anúncio deve ficar para depois do Carnaval.

Garantia do Tesouro

 

O pacote prevê o “relançamento” de linhas de crédito criadas durante a pandemia de Covid-19.

É o caso do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), que se tornou permanente (vídeo abaixo) e o Programa Emergencial de Acesso a Crédito (Peac). Ambos têm garantia do Tesouro Nacional.

Governo federal sanciona lei que torna permanente o Pronampe

00:00/01:47

Governo federal sanciona lei que torna permanente o Pronampe

Segundo integrantes do ministério que participam do desenho da medida, a intenção é prorrogar a permanência do dinheiro alocado nos fundos garantidores durante a pandemia.

Essas verbas deveriam começar a voltar aos cofres do Tesouro Nacional, mas, pela proposta, isso seria adiado, a fim de dar novo fôlego a esses financiamentos.

A engenharia financeira será constará de uma medida provisória, que deve ser enviada pela Casa Civil ao Congresso Nacional depois do Carnaval.

O Pronampe é abastecido pelo Fundo Garantidor de Operações (FGO), administrado pelo Banco do Brasil, e atende a empresas com faturamento anual de até R$ 4,8 milhões.

O Peac é atrelado ao Fundo Garantidor para Investimentos (FGI), administrado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e concede crédito a companhias que faturam até R$ 300 milhões.

Microcrédito para MEI

 

Além dessas duas linhas principais, a Caixa Econômica Federal está preparando um fundo para o microcrédito.

O objetivo é conceder empréstimo aos microempreendedores individuais (MEIs) e a trabalhadores informais. Seriam financiamentos de pequeno valor, para auxiliar o público do antigo Auxílio Emergencial.

O Sebrae também deve contribuir com o pacote, com um aporte de R$ 600 milhões no Fundo de Aval para as Micro e Pequenas Empresas (Fampe), que serve de garantia em empréstimos bancários para o segmento.

Crise e inadimplência

 

O Pronampe foi lançado em junho de 2020 (vídeo abaixo) e se esgotou em poucos dias, diante da forte demanda dos empresários, que não conseguiam financiamento por meio das linhas tradicionais.

Governo sanciona com vetos lei que cria linha de crédito para micro e pequenas empresas

00:00/06:54

Governo sanciona com vetos lei que cria linha de crédito para micro e pequenas empresas

Segundo a Abrasel, 49% dos bares e restaurantes do país contraíram empréstimos por meio do Pronampe e, desses, 20% estão inadimplentes. “No período de um ano, o custo do dinheiro quadruplicou”, diz Solmucci.

A primeira versão do Pronampe tinha juros máximos equivalentes à taxa básica de juros da economia, a Selic, mais 1,25% ao ano.

O problema é que a Selic saiu de 2% ao ano, no início de 2021, para 10,75%. Ou seja, o custo total desse crédito saltou de 3,25% para 12%.

“Pedimos ao ministro Paulo Guedes para que, além do pacote de crédito, seja oferecida a possibilidade de rolagem da dívida. Caso contrário, a inadimplência vai seguir aumentando”, afirmou o presidente da Abrasel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.