Pessoal diplomático dos EUA passa a noite na Polônia, anuncia Blinken

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, informou nesta segunda-feira (21) que, por motivos de segurança, transferiu o pessoal diplomático de Lviv, no Oeste da Ucrânia, para passar a noite na Polônia. Não foi informada a cidade para onde os funcionários foram levados.

Em medida anterior por causa do temor de uma invasão da Rússia na região, o pessoal diplomático dos EUA já havia sido transferido de Kiev para a cidade de Lviv.

“Hoje, o Departamento de Estado está novamente tomando medidas para a segurança dos cidadãos dos EUA, incluindo nosso pessoal”, disse ele em comunicado.

 

Blinken explicou que os funcionários farão plantão durante o dia para continuar o trabalho diplomático na Ucrânia. “Nosso pessoal retornará regularmente para continuar seu trabalho diplomático na Ucrânia e fornecer serviços consulares de emergência”, disse.

Ele repetiu um apelo para que os americanos deixem a Ucrânia imediatamente, dizendo que a situação de segurança no país continua imprevisível e alertou que pode se deteriorar com “pouco aviso prévio”.

Viagens aéreas

 

“Há uma forte probabilidade de que qualquer operação militar russa irá restringir severamente as viagens aéreas comerciais. As tropas russas continuaram a se aproximar da fronteira no que parece ser planos para uma invasão a qualquer momento”, alertou Blinken.

 

O presidente russo, Vladimir Putin, ordenou o envio de tropas para duas regiões separatistas no leste da Ucrânia depois de reconhecê-las como independentes nesta segunda-feira, acelerando uma crise que o Ocidente teme que possa desencadear uma grande guerra.

Uma testemunha da Reuters viu tanques e outros equipamentos militares se movendo pela cidade de Donetsk, controlada pelos separatistas, depois que Putin emitiu um decreto reconhecendo as regiões separatistas e disse ao Ministério da Defesa da Rússia para enviar forças para “manter a paz”.

LEIA TAMBÉM:

 

Áreas de Donetsk e Luhansk, reconhecidas como independentes pela Rússia — Foto: Arte/g1

Áreas de Donetsk e Luhansk, reconhecidas como independentes pela Rússia — Foto: Arte/g1

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.