Recuperação de pontos do Boavista rebaixa o Volta Redonda no Carioca; entenda o caso

Por Redação do ge — Volta Redonda, RJ

 


Recuperação de pontos do Boavista rebaixa o Volta Redonda no Carioca; entenda o caso — Foto: André Moreira/Volta Redonda F.C.

Recuperação de pontos do Boavista rebaixa o Volta Redonda no Carioca; entenda o caso — Foto: André Moreira/Volta Redonda F.C.

A recuperação de três dos sete pontos perdidos pelo Boavista na punição pela escalação irregular de um jogador no Campeonato Carioca impacta diretamente o Volta Redonda.

Isso porque o Voltaço, que lutava com o Boavista contra o rebaixamento nesta reta final, passa a não ter mais chances de escapar da queda.

O recurso do Boavista foi julgado na noite de quinta-feira, no Tribunal de Justiça Desportiva do Rio de Janeiro (TJD-RJ)

Com a decisão, o Boavista pula de cinco para oito pontos na tabela, abrindo três pontos de vantagem para o Volta Redonda faltando apenas uma rodada para o fim da primeira fase.

Na última rodada da Taça Guanabara, o Volta Redonda vai visitar a Portuguesa, enquanto o Boavista tem pela frente o Fluminense. Os jogos vão acontecer simultaneamente, com início previsto para as 16h de sábado.

Mesmo que perca o jogo e o Volta Redonda conquiste uma vitória, o que faria os dois times empatarem em pontos (8 a 8), o Boavista levaria vantagem no número de vitórias, primeiro critério de desempate (3 a 1).

Volta Redonda não pode recorrer da decisão do TJD-RJ porque não está anexado ao processo como parte interessada. Uma reviravolta só poderia partir de Nova Iguaçu, Madureira e Bangu, times que estão anexados como terceiros interessados.

O Boavista também tentou anular a perda de outros quatro pontos em outro processo, mas teve o pedido negado.

O que dizem as partes

 

Em nota, o Volta Redonda informou que “segue focado somente na partida diante da Portuguesa neste sábado, dia 12, válida pela última rodada”. Disse ainda que “o departamento jurídico do clube está acompanhando o andamento do julgamento e aguardando o resultado final do processo”.

ge vem tentando contato com Nova Iguaçu, Madureira e Bangu para saber se os clubes vão recorrer do efeito suspensivo da punição. Assim que obter as respostas, a informação será acrescentada nesta reportagem.

Entenda o caso

 

O Boavista foi julgado e condenado pelo TJD-RJ no dia 16 de fevereiro. O motivo foi a escalação irregular do volante Ryan Guilherme.

O processo teve origem em uma notícia de infração movida por Madureira e Bangu, que acionaram a procuradoria do TJD-RJ. Ryan Guilherme foi expulso por agressão na última rodada da Taça Guanabara do ano passado, contra a Portuguesa-RJ, e depois foi julgado e suspenso em cinco partidas.

Contratado para o time sub-20 do Fortaleza, o volante não precisou cumprir a suspensão lá, pois a pena é de âmbito estadual. Ele voltou ao Boavista em 2022, não foi relacionado para a estreia contra o Botafogo, mas ficou no banco e entrou no segundo tempo contra Vasco e Flamengo.

O caso foi julgado pela 5ª Comissão Disciplinar do TJD-RJ. A defesa do Boavista argumentou que Ryan Guilherme cumpriu a suspensão no Carioca Sub-20, mas não adiantou, e o clube foi punido por unanimidade com base no artigo 214 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), que não prevê pontos aos adversários.

Ou seja, nem Vasco e Flamengo, times que enfrentaram o volante em campo, tampouco Madureira e Bangu, que fizeram a denúncia, puderam se beneficiar com os pontos retirados.

Com a punição, o time de Saquarema perdeu sete pontos e despencou na tabela: tinha seis pontos e estava em nono lugar, e caiu para a lanterna, com um ponto negativo, passando a correr sério risco de queda restando cinco rodadas para o fim da Taça Guanabara — no Carioca de 2022, apenas o último colocado será rebaixado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.