Aliado a Tereza Cristina, Reinaldo diz que PSDB pode ‘rachar’ apoio entre Bolsonaro e Ciro Gomes em MS

Apesar da aproximação com a ex-ministra da Agricultura, deputada federal Tereza Cristina (PP), aliada de Bolsonaro (PL), o palanque de Eduardo Riedel (PSDB) pode embalar em  o nome de  (PDT) para presidente da República, admitiu o governador  (PSDB).

A declaração de Reinaldo nesta terça-feira (12), durante agenda na Alems (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul), aumenta as dúvidas sobre como acordos nacionais podem afetar a relação entre o PP de MS e a campanha de Eduardo Riedel (PSDB), pré-candidato ao governo de MS.

“O mesmo aconteceu em 2018, quando o partido [PSDB] deu apoio ao Alckmin e ao Bolsonaro”, minimizou Reinaldo Azambuja.

Reação de Bolsonaro pode afastar Tereza Cristina

No entanto, correligionários que acompanham a preparação da pré-candidatura de Jair Messias Bolsonaro temem que o ‘jogo duplo’ tucano pode fazer azedar a aproximação de Tereza Cristina em MS.

“Pode ser que haja apoio ao Ciro se o PDT entrar com a gente. Isso só vamos saber em julho. Estamos dentro de um sistema político brasileiro onde dificilmente um partido consegue ter uma candidatura única”, antecipou o atual governador de MS.

Em Mato Grosso do Sul, já se desenha uma possível aliança entre o PDT e PSDB. Um dos exemplos é a filiação do deputado federal Dagoberto Nogueira ao ninho tucano, após 31 anos no partido de esquerda.

Ao Jornal Midiamax, Nogueira antecipou anteriormente que fará palanque para Ciro Gomes, em qualquer partido que estiver.

Dagoberto também deixou explícito que foi para o ninho tucano após receber convite feito pelo governador Reinaldo Azambuja, e pelo então secretário de Infraestrutura, Eduardo Riedel, atual pré-candidato do PSDB, além do presidente estadual da legenda, Sérgio de Paula.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.