contra peso-pesado, Paulo Sousa faz Flamengo ser dominante com o “bloco dos recuperados”

Flamengo não venceu, mas convenceu no empate por 0 a 0 com o Palmeiras. Tanto o fez que saiu aplaudido do Maracanã. Teve mais volume e as melhores chances, o que impulsionou os quase 70 mil presentes a fazerem bela festa. Boa parte da sintonia entre campo e arquibancada na véspera do Carnaval fora de época foi regida pelo “bloco dos recuperados”

É verdade que a pressão alta deu resultado mais uma vez e que os homens de frente estão cada vez mais aproximados e com melhor entendimento. A utilização de diferentes sistemas durante a partida também já é assimilada pelos jogadores, mas a boa atuação no Palmeiras serve para evidenciar não somente os processos coletivos em evolução, mas a redenção de alguns atletas também.

Essa subida de patamar de determinados jogadores tem sido uma tônica no trabalho de Paulo Sousa. É fato que o Flamengo tem evoluído a cada jogo nos aspectos coletivo, técnico e tático, porém isso não é o tema central da conversa de hoje.

Thiago Maia é o “recuperado da vez”

Após bastante tempo indisponível por conta de um corte profundo, Thiago Maia passou ter sequência no início de abril. Foi titular nos últimos cinco jogos e esteve muito mal contra Sporting Cristal, Atlético-GO e Talleres.

Melhores momentos: Flamengo 0 x 0 Palmeiras, pela 4ª rodada do Brasileirão 2022

Contra o São Paulo, notou-se tímida evolução e diante do Palmeiras aí sim veio a grande atuação no ano. Além da habitual disposição para o combate, foi preciso nos desarmes e reduziu os erros de passes. Mais do que isso: ajudou na construção das jogadas, inclusive em duas que quase terminaram em gols de Arrascaeta.

Thiago foi o jogador que mais acertou passes do Flamengo (54 de 63), quesito que comprova a maior participação na transição entre defesa e ataque

Após o jogo, Paulo Sousa fez a análise individual de Thiago, citou pontos de atenção, e afirmou ter o desejo de que outros jogadores sigam o exemplo do camisa 8.

– Encontrei mais um jogador que tem vindo a crescer, que nos dá soluções com a bola nos primeiros momentos de construção. Tem capacidade para melhorar em termos posicionais e no entendimento entre ele e João de equidistâncias e de lateralidade entre eles dois. A necessidade que a equipe tem não só nesse primeiro momento de construção e também para ver o jogo de frente. Também em apoio e em movimentos de ruptura. Pode melhorar muito mais em termos de duelos. E pode melhorar no último terço porque tem a capacidade de enxergar mais longe e de dar passes de maior profundidade.

– Por isso, esperando que outros também possam crescer pois necessitamos. São posições de grande destaque mental e físico. E precisamos de todos disponíveis porque é uma temporada longa. Com esse ritmo de jogo de hoje, necessitamos de todos disponíveis com a mesma qualidade para termos boa performance e resultados.

Ribeiro e Lázaro num degrau acima

Se Maia foi quem tirou a melhor nota na prova de recuperação nesta quarta-feira, outros dois seguem em franca evolução. Everton Ribeiro e Lázaro, cada um subindo de produção à sua maneira.

A queda de Ribeiro pode ser dividida com Paulo Sousa, que iniciou 2022 o escalando pela ala esquerda. Em contrapartida, vale lembrar que o final do ano passado do camisa 7, mesmo jogando em sua posição, não foi o dos mais animadores.

Ribeiro já vinha crescendo desde a vitória contra o Talleres por 3 a 1, na qual foi mais decisivo do que brilhante. Diante do Palmeiras, porém, infiltrações, dribles e superioridade nos duelos individuais foram uma constante.

– Quando a equipe está compacta e confiante, o individual sobe. Eu jogando mais perto do Arrasca facilita muito. A equipe compacta toda hora roubando a bola e não tendo que correr 60 metros para trás para recuperar bola são coisas que me ajudam. Recebendo mais bolas, fico feliz por estar em alto nível e fazendo o melhor pelo Flamengo – afirmou o camisa 7 após o jogo

Também integrante do “bloco dos recuperados”, Lázaro começou o ano como surpresa e respondeu positivamente, porém já encontrou momentos de oscilação em 2022. Contra o Palmeiras, aliás, mais um dia de altos e baixos. Entretanto o excelente primeiro tempo, com direito linda jogada que quase terminou em gol de Arrascaeta e muitas combinações, não pode ser esquecido diante de uma etapa final um pouco mais apagada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.