Trocas de Mano surtem efeito, Inter encerra “empatite”, alivia crise e cola no G-4

O desempenho do Inter não foi vistoso, mas a vitória por 2 a 0 sobre o Bragantino teve sabor especial. Graças a Carlos de Pena, Mauricio e Johnny, que saíram do banco, o time quebrou a incômoda sequência de cinco empates pelo Brasileirão, se aproximou do G-4 e ao menos por enquanto afastou a crise do Beira-Rio.

Qualquer resultado diferente dos três pontos traria novamente à tona o episódio que sacudiu a semana no Beira-Rio, com a paralisação dos jogadores por atraso nos pagamentos. Talvez com ainda mais força, como o próprio Mano reconheceu na entrevista após a partida.

– Não foi pela vitória que mudamos a avaliação dos fatos, mas não somos ingênuos para não achar que se perdêssemos muitas histórias aumentariam. Sabemos que situações têm consequência. Disse aos jogadores que precisávamos ter uma oportunidade de mostrar a união. Penso que o episódio deixará o grupo mais forte – vibrou Mano.

O alívio para os colorados, porém, só veio no apagar das luzes. O duelo na noite de domingo em Bragança Paulista começou tortuoso. O Inter não conseguia sair do campo de defesa. Com dois minutos de partida, Luan Cândido já tinha acertado a trave e Daniel brilhado em finalização de Natan. Ainda houve outra bola de Helinho no poste.

Mano voltou do intervalo sem alterações. O time não era mais incomodado, mas também pouco perigo levava a Cleiton. Aos 26 da etapa final, o técnico promoveu as entradas de Alemão e Carlos de Pena nas vagas de David e Rodrigo Dourado, respectivamente. A essa altura o Inter já se arriscava mais no ataque e cresceria ainda mais de rendimento.

Alan Patrick, que tentou organizar o time e até criou, principalmente na etapa inicial, deu lugar a Taison aos 37 e, seis minutos depois, Mano deu a última cartada, com as entradas de Mauricio no lugar de Wanderson e Johnny na vaga de Edenilson. O capitão pouco levou perigo, enquanto o atacante sentiu falta de ser mais acionado.

Só que, em três minutos, as decisões do treinador se mostraram acertadas. Já nos acréscimos, aos 46, Carlos de Pena cruzou da direita para Mauricio que, com capricho, escorou para Johnny chutar de primeira e abrir o placar. O gol causou uma confusão generalizada nos bancos de reservas das equipes e aproximou o Inter da vitória.

Mas o Colorado ainda teve de ampliar. Como? Novamente graças às alterações de Mano. Aos 51, Taison encontrou Alemão na área, e o centroavante acabou derrubado. Pênalti. De Pena pegou a bola e cobrou no canto direito de Cleiton, que caiu para a esquerda.

– Você precisa colocar na casinha. Já fizemos jogos melhores, mas não colocamos nesta série de empates. O Bragantino acertou a trave e nós um pouco mais para dentro. Sabíamos como seria o jogo. Levamos a vitória porque entendemos como deveríamos construir. O Bragantino só construiu quando erramos feio. A equipe esteve muito bem posicionada durante os 90 minutos – avaliou Mano.

Crise aplacada

A postura também foi fundamental para que a turbulenta semana não atingisse o gramado. O episódio da greve na quarta em razão do atraso nos direitos de imagem expôs o clube e mostrou a dissonância entre jogadores e direção. Além de aumentar a pressão por resultados.

Às pressas, a direção acertou o pagamento de dois meses de atraso, com um ainda em aberto. Mano precisou superar este episódio para traçar a estratégia para o confronto no Nabi Abi Chedid. O sucesso na jornada mereceu elogios. O vice de futebol, Emílio Papaléo Zin, entende que a situação, inclusive, tenha ficado para trás.

– Fizemos um belo jogo. Prova que o grupo é maduro e foca naquilo que interessa. O que aconteceu na semana foi um problema administrativo. Os jogadores manifestaram inconformidade, mas resolvemos em quatro horas. Não é um privilégio do Inter. O episódio está superado. Demonstração de união entre time, comissão e direção – declarou.

Fim dos empates e recorde quebrado

Ainda é cedo para afirmar que, de fato, os problemas no vestiário estão superados. Ainda assim, o resultado serviu para finalizar com a série de cinco empates no Brasileirão. A vitória catapultou o Inter para o sétimo lugar com 14 pontos, empatado com o Coritiba, que fecha o G-4, mas atrás pelo número de vitórias (4 a 3) e a quatro do líder Corinthians.

Mano também segue invicto no Colorado. Já são 11 partidas, com cinco vitórias e seis empates. O time não perde há mais tempo – 13 jogos – e ainda superou a marca do final de 2020 e início do ano passado. À época, durante a “era Abel Braga”, alcançou 12 jogos sem perder, com 10 vitórias e dois empates.O Inter agora busca se concentrar apenas na evolução e na resolução de outros problemas. Os atacantes, por exemplo, passaram em branco mais uma vez. Na próxima rodada, o time de Mano Menezes enfrenta o Santos. A partida será disputada na quarta-feira, às 21h30, na Vila Belmiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *