Conselho de Segurança relata surpresa com pedido do MP para prender policiais e diz que vai convocar reunião

O presidente do Conselho Municipal de Segurança da região do Imbirussu, em Campo Grande, Felix Irlando Gonçalves, que contempla as regiões do Jardim Aeroporto e Vila Popular, disse que ficou surpreso com o pedido do MPMS (Ministério Público de MS) para prender Policiais do Batalhão de Choque da Polícia Militar após uma ação no bairro. O caso foi revelado pelo Jornal Midiamax nesta quarta-feira (23).

“Logo o MP que deveria ser um parceiro nosso. Eu vou convocar uma reunião extraordinária do Conselho de Segurança e vamos convidar um membro do Ministério Público caso queira participar”, disse Felix.

Segundo Felix, o Conselho recebe denúncias diárias de moradores e em várias oportunidades ele pede o apoio do Batalhão de Choque. “Isso é normal porque na maioria das vezes as pessoas que possuem algo ilícito costumam esconder e não falam. E claro que você não vai tratar com beijinho nem flores, ainda mais um  batalhão especializado e bem treinado que nem o Choque, Deixamos as portas abertas pra o batalhão de choque, que é parceiro”, finaliza Felix.

MP pediu prisão de PMs após reclamação de traficantes

Policiais do Batalhão de Choque da  de Mato Grosso do Sul quase foram parar na cadeia e estão ‘proibidos’ de realizar o policiamento no Jardim Aeroporto e na Vila Popular, bairros da região oeste de Campo Grande. O pedido da prisão de PMs foi feito pelo Ministério Público Estadual de MS e vazou para moradores, que reclamam.

O caso começou quando os policiais realizaram abordagem a um casal suspeito de atuar no tráfico de drogas. Eles acabaram na casa da família, que acusou os policiais de abuso e agressão. Segundo o relato do casal, havia crianças na casa e os policiais do Choque foram violentos.

Assim, de suspeitos, os dois, que têm passagem por narcotráfico, viraram vítimas. Eles denunciaram o caso e o Ministério Público de Mato Grosso do Sul pediu a prisão dos policiais.

O juízo da  Militar não aceitou o pedido da promotoria para colocar os policiais atrás das grades, mas aplicou medidas que restringem temporariamente a ação dos quatro servidores públicos estaduais da segurança pública na região.

Foi o suficiente para que as ‘vítimas’, segundo relatos de comerciantes que atuam nas imediações, supostamente comentassem a ‘blindagem’, em tom de comemoração. A decisão judicial impede os quatro policiais militares do Batalhão de Choque de realizarem policiamento ostensivo nas imediações do Jardim Aeroporto e da Vila Popular.

ACS se reunirá com associação do MPMS

O presidente da ACS PMBM MS (Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar de Mato Grosso do Sul), Fabrício de Carvalho Moura, irá se reunir com membros da ASMMP (Associação Sul-Mato-Grossense dos Membros do Ministério Público) devido a reportagem publicada pelo Midiamax, a respeito do pedido de prisão contra policiais militares, caso realizem policiamento no Jardim Aeroporto e na Vila Popular, bairros da região oeste de Campo Grande. Presidente da ACS publicou na redes sociais, que haverá a reunião

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.