Cerca de 1,5 mil professores paralisam atividades na UFMS por reajuste

Os professores da  ( Federal de Mato Grosso do Sul) realizam paralisação nesta quinta-feira (28), na Cidade Universitária, em Campo Grande, e nos nove campi da instituição espalhados pelo Estado. A categoria tenta avançar nas negociações em relação ao  salarial de 19,99%.

No começo desta manhã (27), os professores estão reunidos na entrada da UFMS, vestindo camisetas pretas e entregando panfletos de conscientização sobre o ato. Está prevista concentração dos docentes às 9 horas na frente da reitoria da Instituição.

O presidente da Adufms (Associação dos Docentes da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), Marco Aurélio Stefanes, explica que o dia será de paralisação em todos os campi da universidade e que o principal objetivo é negociar o reajuste salarial da categoria.

“A nossa última negociação salarial foi em 2015 com reajustes até 2017, e agora estamos pedindo esse reajuste, de acordo com a inflação do governo Bolsonaro de 2019 a 2021”, afirma o dirigente. 

Segundo a Adufms, a adesão é de cerca de 1,5 mil professores da UFMS em Campo Grande e no interior do Estado, com expectativa de adesão de 70% a 80% dos docentes. Ainda segundo Stefanes, outra pauta da categoria é a manutenção da estabilidade dos servidores públicos, que pode ter fim com a reforma administrativa. “Caso isso ocorra, será muito ruim para a população e para a categoria”, alerta.

Os cursos de Física, Geografia, Artes, Pedagogia, Letras e Matemática paralisaram totalmente as atividades. As Engenharias, Psicologia, Ciência da Computação, Fisioterapia e Enfermagem estão com as atividades parcialmente paradas. A decisão ficou a cargo dos professores e, como alguns cursos têm aulas práticas, estão funcionando parcialmente.

O último reajuste salarial da categoria foi negociado no segundo governo da ex-presidente Dilma Rousseff (2015) e pago até o primeiro ano do governo do ex-presidente Michel Temer (2017).

As tentativas de diálogo com o governo pelo reajuste de 19,99% têm ocorrido desde o dia 18 de janeiro, quando foi protocolado um documento com uma série de reivindicações do Fonasefe (Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais) ao Ministério da Economia.

Nesta quinta-feira, 28 de abril, a previsão em nível nacional é de que haja uma reunião com o governo federal para negociação.

Alunos apoiam o movimento de professores da UFMS

Na terça-feira (26), o Jornal Midiamax esteve na UFMS e conversou com os estudantes sobre o assunto. Eles disseram apoiar o movimento dos professores, mesmo que muitos tenham entrado agora na universidade: ou por serem calouros ou por terem passado a pandemia, ou seja, os últimos dois anos, tendo aulas online.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.