Soldados ucranianos relatam batalha no Donbass: ‘tanque russo atingiu nossa posição e bunker desabou sobre nós’

Após dias difíceis, a calmaria voltou ao hospital militar de Zaporizhia, cidade localizada ao leste da Ucrânia. Mas os confrontos continuam na região do rio Dnieper, e os serviços de saúde, que estão ao alcance das armas russas, tentam como podem atender os pacientes.

“Estamos a menos de 50 km do front. Os feridos mais graves são trazidos primeiro para esta sala de reanimação. Como você pode ver, bloqueamos as janelas para tornar o local seguro. Evitamos deixar os feridos aqui por muito tempo, pois é arriscado”, relata Yurii, um dos médicos do hospital militar. “Na maioria das vezes, quando a condição do paciente se estabiliza, eles são levados para hospitais civis mais ao norte”, completa.

Entre os feridos está Stepan, um jovem soldado que acaba de chegar da região do Donbass, sem fôlego de tanta dor.

“Fui ferido ontem, na região de Donetsk. Um tiro de um tanque russo atingiu nossa posição. O projétil caiu muito perto de nós. Foi uma confusão porque o bunker desabou em cima de nós. Eu fugi, mas tenho muitos hematomas e minhas costas doem. Ao meu lado, um camarada teve a perna amputada e não sobreviveu”, relata o militar.

LEIA TAMBÉM:

Segundo o tenente-coronel Viktor Pysanko, diretor do hospital militar, se antes os pacientes davam entrada com ferimentos causados principalmente por explosões, hoje é cada vez maior o número de vítimas de tiros de artilharia.

“Os russos fazem isso para tentar empurrar nossas linhas de combate. É um método antigo, já comprovado no Afeganistão e na Chechênia. Eles cobrem tudo com sua artilharia e depois tentam empurrar o front com sua infantaria”, explica.

As autoridades também contam com profissionais de saúde estrangeiros, que ajudam à distância. Um paraquedista, que já havia servido no Kosovo e na República Democrática do Congo, utilizou a sua rede de contatos para desenvolver o uso da telemedicina. Dos Estados Unidos à França, passando por Israel, vários médicos responderam ao chamado do jovem oficial e contribuem com as operações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.